quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Smite: A Arena BAD ASS dos Deuses!

 Smite é um MOBA de estilo único criado pela Hi-Rez Studios e que chegou recentemente no Brasil pela Level Up. Nesta matéria, falarei mais sobre o game e minhas experiências.



por W Y. Roses


 SINCERAMENTE: Sempre detestei MOBAs. Nada contra quem joga, não fazendo as conhecidas piadinhas com jogadores de LOL... Eu só nunca gostei mesmo.
 A jogabilidade era um dos motivos. Se locomover e atacar pelo mouse é algo que para mim funcionou em jogos de RPG como Diablo, e de estratégia como Dungeon Keeper e as séries AOE e AOM, Warcraft (sim, eu sou velho, hehe~), mas num estilo de game com uma carga maior de ação e velocidade, não gostei. Talvez seja só desculpa e eu seja um completo descordenado lesado, mas não deu mesmo. Sempre tenho a sensação de não estar controlando o personagem, só dando ordens, e não curti a combinação (levando a ação em conta mais uma vez).


 E o outro motivo, os personagens. Nunca gostei de receber de uma vez um monte de personagens novos. Novos no sentido de serem criados exclusivamente para o jogo, de não terem estado presentes em outro lugar. Gosto de personagens com histórias profundas, trabalhadas, e é mais fácil isso em jogos puramente de RPG ou puramente de estratégia. Num MOBA acho que isso perde um pouco espaço para o próprio jogo, e a história de cada personagem fica para segundo plano.

Batman do Nightmare Universe
 O único MOBA mais clássico que cheguei a realmente jogar foi Infinite Crisis, que trás personagens icônicos da DC Comics além de várias versões alternativas dos mesmos.
Como grande fã da editora, encontrei aqui um dos elementos que me faltava. Personagens que eu conhecia e já gostava (BATMAN!!!) além das outras versões que o jogo me instigou a procurar mais à respeito.
 Porém, ainda assim a jogabilidade não me agradou e não fiquei nele por muito tempo.

 Conheci Smite por acaso. Vi um anúncio no Facebook, pensei que era algum Hack and Slash, e cliquei. Minha primeira reação foi "Oh meu Deus! Um game de batalha entre deuses!!" e a segunda "Ah... É MOBA...". Só que meu Amor pelos deuses (pra quem desconhece, eu tenho profundas raízes em crenças antigas trazidas em minha espiritualidade) foi mais forte e eu resolvi experimentar. Afinal era um game com os meus heróis, com aqueles que eu tenho um apreço enorme na vida real mesmo, além de estarem presentes nas minhas histórias. E não me arrependi.

 Fora os personagens serem deuses e outras figuras de crenças antigas (Como Aracne e Bakasura), coisa que só gostando de mitologia já faria alguém se sentir atraído, o game é em TERCEIRA PESSOA!!!
 Finalmente uma mecânica que eu curtia. O bom e velho WASD, câmera e mira no mouse... Uma bela consumação entre MOBA e os estilos dos RPGs mais tradicionais.
 No Smite realmente me sinto controlando o personagem, e a visão permite movimentos, estratégia e até a criação de personagens por parte dos produtores muito mais complexa na minha opinião. Muitos falam que não combina e que o jogo é até mais fraco, mas para mim, é só outro modo. Não digo que é melhor do que um tradicional, mas digo que é melhor para mim, e tem suas dificuldades também sim senhor.

 Além de requerer uma habilidade maior com a pontaria, por exemplo, semelhante à jogos de FPS, você não tem uma visão aérea. Ganks nesse jogo são muito mais temíveis. 
 As batalhas também alcançam um nível maior de ação aos meus olhos. É como uma combinação do sistema de batalha de jogos como o Gauntlet, que você anda, tem o botão de ataque, só que com a mira e os botões de Skill, igual um RPG tradicional ou um MOBA mesmo.

 A construção dos deuses também é muito bacana e dá pra perceber a atenção que os produtores possuem em recriar detalhes icônicos de cada um. São no momento sete panteões: Grego, Egípcio, Maia, Romano, Nórdico, Chinês e Hindu, e os deuses estão muito fiéis as lendas e crenças sobre eles.
 
Zeus, e seu escudo Égide
Vemos Zeus, por exemplo, portando não só os seus raios, mas também o lendário escudo Égide, ou Loki com skills que lhe transformam num assassino nato, ficando invisível, criando cópias falsas e atacando pelas costas.
Loki, um dos assassinos favoritos pelos jogadores
 Essa atenção vai tão além, que os produtores realizam até completos remodels em alguns personagens devido à sugestões de jogadores, coma finalidade de aumentar ainda mais essa fidelidade (como ocorreu com Son Wukong e Nu Wa, e atualmente está acontecendo com Ao Kuang).

 O game possui o clássico modo de Conquista (três rotas, duas torres em cada, além das fênix que guardam a base com o titã que deve ser derrotado para se obter a vitória), além de uma Arena (mais focado em combate do que em estratégia), Assalto (uma única rota, deuses escolhidos aleatoriamente e sem a opção de voltar para a base à não ser que você morra), Cerco (igual Conquista, mas com apenas duas rotas e Juggernauts que podem ser invocados para destruir torres mais rápido) e Justa (uma rota, três deuses). Além destes há um modo de Dominação, disponível para partidas customizadas, assim como Justas com menos ou mais deuses, e etc...

 
Vulcano, no Modo Arena

 Também há uma Liga, e o primeiro torneio regional está aí, com vaga para o mundial.

 Outro fato interessante de se apontar, é que além dos deuses serem muito equilibrados e você poder jogar de igual pra igual mesmo só tendo as divindades gratuitas, não é tão difícil juntar favores (o "dinheiro de mentirinha" do jogo) para adquirir novas divindades. As gemas (o cash) são exclusivos apenas para algumas skins especiais, ícones, etc...
 O jogo é frequentemente atualizo, personagens balanceados, novas divindades incluídas e também muitos outros conteúdos. O deus da nova atualização, por exemplo, é Silvano, do panteão romano.
Silvano, o novo guardião do game


 E nas minhas palavras finais (nesta matéria só, porque eu ainda quero transmitir muitas palavras por aí, rs), Smite é game fantástico e inovador, reunir as melhores qualidades de variados gêneros do multiplayer em uma experiência única e com atmosfera envolvente, que vale muito a pena conferir!

 









Finalizo com as palavras do senhor Jean/Cimetiere, o líder do clã Solstice, do qual faço parte:

 "O clã Solstice é uma experiência que trago a cada game online que jogo, com valores semelhantes, só alterando o nome em cada game. O objetivo foi sempre construir amizades e amplificar a experiência de diversão nos jogos. Por exemplo, a primeira versão do clã foi criada em 2005 e ainda tenho contato com aquele círculo de amizades! O clã procura jogadores amigáveis de qualquer level que estão jogando com o objetivo principal de se divertir. Eu tendo a ser um jogador com habilidades acima da média nos games e gosto do competitivo, mas entendo que no Smite é muito mais complexo e a minha experiência ainda é um tanto limitada, mas estou sempre aprendendo! Neste sentido, também não exijo quaisquer habilidades supremas dos membros do clã, mas estamos dispostos a treinos para alcançarmos gameplays bem competitivas e profissionais.Também recomendamos a instalação do Curse Voice. Ele é bem leve, simples de usar (dois clicks pra abrí-lo e ele mesmo te encaixa com a tua party!) e ajuda bastante para nos conhecermos melhor e na comunicação in-game.Feita a apresentação do clã e os pré requisitos, é importante salientar as punições: Nada de levar uma partida muito a sério e faltar respeito com os demais membros e pessoas fora do clã. É muito importante saber perder e rir da desgraça! Qualquer problema com outro membro deve ser reportado ao líder do clã pra resolvermos da melhor forma. A expulsão do clã é a opção caso uma conversa não resolva, ou mesmo a saída voluntária. Um objetivo secundário atual é conseguir dez pessoas disponíveis e online simultaneamente para que possamos treinar Conquests amistosos entre o clã. A partida fica bem mais “light” e podemos refletir ao fim dela, aprendendo mais que em uma partida comum."

Fica aqui o convite para quem desejar fazer parte da família!
Perfil do Jean para Contato
Grupo do Solstice Guild



Nenhum comentário:

Postar um comentário